terça-feira, 17 de março de 2015

O primeiro momento

Há alguns dias surgiu uma dúvida, eram gansos ou patos?
Patos ou gansos que diferença isso fazia na amplitude do momento vivido, eram detalhes, mas nossas vidas são remendos de detalhes, patinhos nadando, bancos ao sol, bancos à sombra, crianças brincando inocentemente em meio a um cenário onde ouvia-se uma bela sinfonia ao longe, e como era doce. Suave como a magia de um encontro adolescentemente maduro. Entre carinhos e testemunhos, palavras   e toques, houve a semente, a alegria, o encanto, o olhar malicioso cheio de beleza, a gargalhada incontida, as carícias mais fortes e avassaladoras, carícias que deixam marcas, não as visíveis, mas as da alma. Um belo sorriso, um afago encantador, uma carícia no momento certo e o toque perfeito, a música ambiente, a água tão saborosa, beijos perfeitos, pequenos retalhos... grandes detalhes, Entrega? E porque não? Não foi total pois na consciência havia um pouco de insegurança e pré=conceitos. Para que eles nos servem, senão para quebrá-los e os muros que erguemos para serem transpassados? Sei que experiências maravilhosas são inesquecíveis, pode não ter sido a beleza de um entardecer à beira da praia, mas foi como despertar a hora por-do-sol e perder a belíssima visão por segundos. Sou consciente que o sol nasce e esconde=se todos os dias, e cada dia demonstra-se diferente e mais lindo e perfeito aos nossos olhos. Eu desejo ver o por-do-sol plenamente sem amarras, sem rótulos,   livre, leve e solta... como sou quando sinto confiança no chão arenoso ou não ao qual eu piso. Quero ver novamente, sentir novamente, cheirar novamente, tocar novamente o desabrochar neste lindo momento.
E os gansinhos.... ahhhhhh os gansinhos... vão andando entre os amantes e as crianças, levando com eles a ternura e o amor verdadeiro que está no ar, até entrarem no lago e sentirem-se totalmente em casa;..

Binhawriter