quarta-feira, 18 de março de 2015

Minhas amadas pessoas................ Lá estou eu hoje, melancólica, revirei minha caixa de guardados e achei uma das primeiras coisas que escrevi, não há motivação para escrever, mas neste dia houve.. não sou mais assim, mas já fui.

O porquê da solidão? Busco a resposta, por favor... respondam-me!
Sempre fico sozinha... sozinha em uma sala repleta de pessoas, sozinha em minha cama de casal, sozinha no meio da multidão.
Isto, em minha vida é comum. Digo algumas vezes, às pessoas que me rodeiam, sejam amigos ou não, que eu sou a pessoa acompanhada mais sozinha que um dia eu ousaria conhecer.
Nunca me interessei em namorar quando jovem, idealizava ser uma pessoa bem sucedida na vida, empresária, gerente, trabalhar em uma grande empresa, nunca idealizei um casamento e sequer cogitei a ideia de ter filhos, a expressão “ser mãe” para mim era uma coisa que não existia no meu dicionário mental.
 O que mais desejei durante essa maravilhosa fase de minha vida, era divertir-me ao máximo que eu pudesse, fui incessantemente controlada em meus passos, então qualquer vestígio, qualquer sinal de fumaça, som, luz... seja lá o que fosse que fizesse alusão a algum divertimento, eu pressentia e sempre estava lá.. a postos.
Namorar para quê? Para que eu não pudesse divertir-me do jeito que desejava? para que eu não pudesse conversar com os amigos, jogando um monte de conversa fora, dançar e dançar, cantar e cantar e dançar como amava cantar e dançar, porque não fui bailarina?
Acho que quanto menos nos preocupamos e desejamos as coisas mais elas aparecem em nossas vidas, elas surgem com uma simplicidade e uma facilidade fora do normal até.
Minha vida fluiu assim, até que me apaixonei perdidamente por homem que me fez mulher na essência, na vida, na alma... Amei desesperadamente e descobri o quanto o amor é lindo e o quanto ele pode nos fazer sofrer também: quando o sentimento não é correspondido e quando por amor cedemos demais, quando achamos que por amor tudo pode se abnegar, quando permitimos sermos dominados por outrem, eis o caos da questão.
Por amor desisti de todos os meus sonhos, EU somente EU.
É maravilhoso amar, mesmo que doa, porque nos faz sentir vivos, nos faz sentir a essência e a alma das pessoas. Eu acredito no amor e vou sempre acreditar, pessoas são diferentes, não generalizo nada, porque não sou simpática a rótulos.
Sempre fui simples e dentro desta simplicidade tracei minha vida, meus desejos, minhas possíveis realizações. Nada do que planejei,  concretizei, absolutamente nada, não foi por falta de tentativas, não, não pensem que foi, eu nunca desisto.
A razão de estar hoje aqui na presença de vocês são meus filhos, aqueles que um dia nunca sonhei em ter e que vieram para ficar ao meu lado e mostrar que é a única maneira de amar incondicionalmente, haja o que houver e quando houver, eu os amarei eternamente.
Se hoje, pudesse definir o que foi minha vida, definiria que foi uma luta, um luta incansável em busca daquilo que mais gosto de dar as pessoas O AMOR.
Encontrei? Sim... foi recíproco? até hoje não, Será um dia? Sim, nunca perco a esperança.
Binhawriter (31/12/2000)